segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Doença?

Assunto que merece a devida importância... não vamos esperar que ela nos faça permanecer no leito por muito tempo para refletir sobre ela, não é?

A doença, vista somente do ponto de vista material, pode ser considerada um acidente ou algo casual. qualquer pessoa sob este ponto de vista procurará afastar tal ocorrido o mais rápido possível, não se importando como.

Por outro lado, o ser humano não é somente matéria. É um ser energético, dotado de sentimentos e vibrações. Esses fatores devem ser considerados para o verdadeiro conhecimento da relação homem-doença.

Pense comigo:
 Obstáculos não são ferramentas poderosas em nossa evoluução?
Não progredimos através da superação de dificuldades?

Observe uma criança ao aprender a andar... se torna mais habilidosa e mais segura a cada superação de limite.

A facilidade porém, nos traz a acomodação... a regressão. Quando recusamos um esforço, o obstáculo vence.

O que é a doença senão um obstáculo sobre o qual devemos triunfar?

A cura depende do doente. Os "remédios" são as ferramentas. E os médicos, orientadores.

O medico que enxerga o homem em sua plenitude, apresentará em suas orientações a tendência de curar a real raiz da doença, e não a doença isoladamente. Eis o desafio!

Até mais!

sábado, 27 de outubro de 2012

Informações sobre rotulagem de alimentos






O rótulo é responsável por trazer dados importantes do produto ao consumidor como nome, peso, características e data de validade, além de ser uma ótima ferramenta de marketing, tendo grande influencia na decisão de compra do consumidor final.
Qual a diferença entre rótulo e embalagem?
Embalagem é o recipiente destinado a garantir a conservação e facilitar o transporte e manuseio dos produtos. Alguns tipos de embalagens são: vidro, plástico, papelão.
Já o rótulo é toda inscrição, legenda e imagem ou, toda matéria descritiva ou gráfica que esteja escrita, impressa, estampada, gravada ou colada sobre a embalagem do produto.
Quais são as informações que devem estar presentes obrigatoriamente no rótulo alimentício? 

 Denominação de venda do alimento: é o nome específico que indica a origem e as características do alimento. Por exemplo: óleo de soja, leite UHT desnatado, biscoito recheado sabor chocolate.

Lista de ingredientes: com exceção de alimentos com um único ingrediente (por exemplo: açúcar, farinha de trigo, vinho), os demais devem ter a descrição de todos os ingredientes no rótulo, por ordem decrescente da proporção. Os aditivos alimentares também devem fazer parte da lista sendo relatados por último.

Peso líquido: quantidade de alimento presente na embalagem, sendo expressa normalmente em mililitro (ml), litro (l), grama (g), quilo (Kg) ou por unidade.

 Identificação da origem: nome e o endereço do fabricante. 

Identificação do lote: código que permita identificar o lote a que pertence o alimento.

Prazo de validade: deve estar presente de forma visível e clara. No caso de alimentos que exijam condições especiais para sua conservação, deve ser indicado o melhor local de armazenamento (freezer, congelador, geladeira) e o vencimento correspondente. 0 mesmo se aplica a alimentos que podem se alterar depois de abertas suas embalagens. Todo produto vencido deve ser desprezado pois, além de perder a garantia de qualidade pelo fabricante, pode trazer riscos à saúde.

Instruções sobre o preparo e uso do alimento: quando necessário, o rótulo deve conter as instruções necessárias sobre o modo apropriado de uso, incluídos a reconstituição e o descongelamento.

Informações nutricionais: de acordo com a Resolução nº 40, de 21/03/01, todos os alimentos e bebidas produzidos, comercializados e embalados na ausência do cliente e prontos para oferta ao consumidor devem ter as informações nutricionais presentes no rótulo. Excluem-se deste Regulamento, as águas minerais e as bebidas alcoólicas. Obrigatoriamente a informação nutricional deve estar por porção (fatia, copo, unidade) .

Contém glúten: a partir de 23/12/92 (lei nº 8.543), todos os produtores de alimentos industrializados contendo glúten através dos ingredientes trigo, aveia, cevada, e centeio e/ou seus derivados passaram a ter que incluir obrigatoriamente a advertência no rótulo das embalagens, a fim de alertar os indivíduos com doença celíaca que não podem consumir tais alimentos devido à intolerância ao glúten.

Alimentos para fins especiais: segundo a Portaria nº 29, de 13/01/98, os alimentos para fins especiais, ou seja, os formulados para atender necessidades específicas, devem ter no rótulo a respectiva designação, seguida da finalidade a que se destina (exemplos: diet, light, enriquecido em vitaminas, isento de lactose). Em alguns casos, é obrigatória a utilização de alertas, como: "Contém fenilalanina" (alimentos com adição de aspartame) ou "Diabéticos: contém sacarose" (alimentos contendo açúcar).
Torne a leitura do rótulo um hábito pois, essas informações permitem um melhor conhecimento do produto e são importantíssimos à sua saúde.

 Se você precisa de consultoria para desenvolvimento de seu rótulo, ou elaboração de tabelas nutricionais, entre em contato comigo!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

História da Fitoterapia



O homem depende das plantas para a sua alimentação e sobrevivência. Além deste papel relevante, as plantas são fontes de substancias utilizadas em medicamentos, cosméticos, combustíveis, materiais de construção entre outros. Desde a mais remota antiguidade, os homens utilizavam as plantas como remédios para os seus males. Todas as civilizações valeram-se delas para aliviar o sofrimento e, em muitos casos, para curar suas enfermidades.

A fitoterapia, (do grego phyton, que significa planta, e therapeia, que encerra a idéia de tratamento), ou seja, a tratamento pelas plantas,o hábito de recorrer às virtudes curativas de certos vegetais, foi criado e transmitido entre as mais antigas civilizações.
Com a evolução da Ciência e da Pesquisa e a decorrente descoberta de fórmulas químicas, a humanidade, atraída pelos resultados e impelida pela publicidade e estratégias de interesse econômico, deixou para segundo plano a tradição milenar do uso das plantas medicinais. No entanto, desde que foram divulgadas as conseqüências do uso abusivo de compostos químicos, a fitoterapia veio readquirindo grande crédito, apesar do espetacular desenvolvimento da quimioterapia.
A fitoterapia foi muito usada pelos gregos e romanos, tratou também de diversas patologias, seguindo desta forma, a mesma filosofia da medicina tradicional ocidental. Tornando-se assim também alopática, ou seja, deixando de ser medicina alternativa.
São eles:O uso das plantas medicinais pela população mundial tem sido muito significativo nos últimos tempos. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 80% da população mundial faz uso de algum tipo de erva na busca de alívio de alguma sintomatologia dolorosa ou desagradável. Desse total, pelo menos 30% deu-se por indicação médica. Desta maneira, a utilização deste tipo de terapêutica tem sido incentivada pela OMS, sendo muitos os fatores que colaboraram e levaram ao desenvolvimento de práticas de saúde que incluíam o uso de plantas medicinais, principalmente, econômicas e sociais.
As pesquisas com plantas medicinais originaram medicamentos em um curto período de tempo, com custos inferiores e, conseqüentemente, mais acessíveis à população e que podem ser utilizados como parte no atendimento das necessidades básicas de saúde.
A toxicologia e a eficiência dentre outros aspectos de parte das plantas medicinais, estão cientificamente aprovadas para serem utilizadas pela população nas suas necessidades básicas de saúde, em função da facilidade de acesso, do baixo custo e da compatibilidade cultural com as tradições populares. Por essas razões é que trabalhos no resgate do conhecimento de plantas vêm se difundindo cada vez mais, principalmente nas regiões mais carentes.

OUTRAS IDEOLOGIAS
Existem dois segmentos terapêuticos que apesar de também utilizarem plantas para curar, não se enquadram em Fitoterapia.São eles:

Homeopatia –
Método de tratamento criado pelo alemão Christian Friederich Samuel Hahnemann, cuja ideologia é curar pelo semelhante. Independentemente da origem da droga ( vegetal, animal ou química) a homeopatia,segundo a Farmacopéia Homeopática Brasileira se fundamenta em 4 princípios :
1)Experimentação no homem são;
2)Semelhante cura semelhante
3)Doses mínimas
4)Remédio único ( muitos  profissionais não concordam com este ultimo tópico).

A homeopatia difere da fitoterapia no que tange às matérias-primas, uma vez que inclui, também matérias primas de origem animal, mineral e até mesmo de síntese.


Fitoterapia Antroposófica -
            Foi criada pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner, e em bora utilize 250 espécies de plantas medicinais, não é um tipo de fitoterapia.Mesmo empregando plantas, a medicina antroposofica valoriza sobretudo as substancias minerais, procurando associa-las as plantas. Os vegetais utilizados são cultivados de maneira especial, visando o enriquecimento em certos tipos de substancias, especialmente certos tipos de minerais.
            As preparações antroposóficas à base de substancias vegetais, assim como na homeopatia, são geralmente feitas em doses infinitesimais através de dinamizações, porém ela também não se enquadra em homeopatia, pois baseia-se em um principio filosófico diferente.


Aguardo comentários!
Me coloco à disposição para quaisquer dúvidas...
Até mais!

domingo, 30 de setembro de 2012

Biotinidase

Trata-se de uma deficiência hereditaria, de uma enzima que reaproveita a vitamina BIOTINA, também conhecida como vitamina H, vitamina B7 ou vitamina B8.

As crianças com esta deficiência podem apresentar convulsões, fraqueza muscular, erupções na pele, queda de cabelo, acidez no sangue e deficiência imunológica, por este motivo o teste do pezinho é importantíssimo para detectar precocemente a doença.
O tratamento consiste em reposição de biotina.

Caso tenha alguma dúvida sobre este assunto, me escreva: hannahandrade@yahoo.com.br ou deixe o seu comentário!

Até mais!

Galactosemia

Trata-se da deficiência hereditaria de uma enzima (galactose-1-fosfato uridil transferase) responsável pelo processamento do açúcar contido no leite, a galactose. Quando as crianças ingerem leite, ocorre o acúmulo de galactose nas células do fígado, rins, cérebro e olhos, acarretando prejuízo para esses órgãos. 
Os sintomas da doença incluem problemas de coagulação, pele amarelada (icterícia), baxa de glicose no sangue, excesso de glicose na urina, excesso de acidez no sangue e catarata.

Uma a cada 60.000 crianças apresenta a doença, por este motivo é tão importante o dignostico através do teste do pezinho.

O tratamento da doença consiste em excluir da dieta alimentos que contenham lactose, ou galactose. 
Parece simples, mas em nossa cultura é algo muito difícil de se controlar, pois a utilização de laticínios na composição dos alimentos é altamente difundida.
Segue abaixo alguns exemplo de alimentos que devem ser excluídos da dieta de um portador de galactosemia:



  • Manteiga
  • Leite integral/desnatado
  • Leite em pó
  • Leitelho
  • Nata
  • Chocolate ao leite
  • Queijo
  • Caseína
  • Lactose
  • Coalhada
  • Requeijão
  • Margarina*
  • Miúdos de carne (fígado, coração, rins)
  • Molho de Soja **
  • Proteína hidrolizada***
  • Caseinato de sódio
  • Caseinato de cálcio
  • Lactalbumina
  • Iogurte
  • Soro de leite
  • Grão-de-bico****
  • Ervilha****
  • Lentilha****
* Poucas margarinas são isentas de leite em sua composição. Verifique os rótulos antes de consumir este produto.
**Molho de soja (shoyu) não deve ser consumido se o produto foi fermentado. Verifique informações com o fabricante antes de consumir este produto.
***Proteína hidrolizada encontrada em carnes ou peixes enlatados podem ser derivadas de proteínas do leite e por este motivo não deve ser consumida.
****Os grãos acima citados contêm altas quantidades de galactose e alguns médicos aconselham evitar esses alimentos.
Quer saber algo mais sobre esse assunto? Comente ou mande sua dúvida pra mim por email: hannahandrade@yahoo.com.br

Contribuição:

Fenilcetonúria

Trata-se de uma doença hereditaria causada pela falta da enzima que transforma a FENILALANINA (aminoácido) em TIROSINA. O acumulo de fenilalanina não transformada pode afetar o cérebro causando deficiência mental.
O nome da doença deve-se ao fato de haver excesso de fenilalanina na urina, causando um odor semelhante ao do mofo.
As crianças nascem normais, mas à medida que recebem alimentos ricos em fenilalanina, passam a acumulá-la no corpo sem conseguir metabolizá-la.

Um a cada 10.000 recém-nascidos apresentam a doença, porém se os pais forem portadores (heterozigoto), há 25% de chance de terem um filho com a doença.

A exclusão de fenilalanina da dieta tem bom prognóstico para o sistema nervoso, principalmente se iniciada antes dos 3 meses de vida. Por este motivo o teste do pezinho é tão importante para confirmar a tempo este diagnostico. Por este motivo também a Portaria SVS/MS nº29/98 determina que os alimentos que contenham esta substancia devem trazer:" Fenilcetonúricos: contém fenilalanina" em seus rótulos.

Gostaria de saber algo mais sobre esse assunto? Deixe o seu comentário!
Até mais!


terça-feira, 28 de agosto de 2012

Letra de médico!


Começamos o post com uma piadinha sobre a caligrafia de nossos colegas, mas o assunto é bem sério!
Apesar de existir até um artigo, o 39, da Resolução nº 1.601/2000O, publicada pelo Conselho Federal de Medicina (CRM), determinando que as prescrições médicas sejam escritas por extenso e de forma legível, na prática isso não acontece com tanta frequência.
Mesmo nos dias atuais, em que os computadores e notebooks estão bem difundidos nos consultórios, ainda encotramos diariamente em nossa rotina de trabalho prescrições de medicamentos ou requisições de exames ilegíveis.
Vejam só: um estudo realizado pelo Instituto de Medicina da Academia Nacional das Ciências (IOM) revela que devido a má caligrafia dos médicos, a cada ano falecem 7 mil pessoas, nos Estados Unidos. Os erros mais comuns cometidos pelos doutores ao expedir as receitas médicas são as abreviações, indicações de dose e letra ilegível.
Visto isso, foi criado o National e-Prescribing Patient Safety Initiative (NEPSI), cujo objetivo é que os médicos tenham acesso gratuito a uma base de dados eletrônica  para expedir receitas de forma digital, verificar as possíveis interações medicamentosas potencialmente perigosas e garantir que as farmácias dêem os medicamentos e as doses adequadas.
Alguns softwares de prescrição eletronica já estão aparecendo, como o Imed, ePM, Orkos, EvulateFarma, entre outros. Mas sabemos que não é preciso uma ferramenta tão rebuscada. Até o bom e velho Word poderia resolver esse simples problema, não?

O que vocês acham?

Até a próxima!


Fonte: 
http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21370
http://www.time.com/time/health/article/0,8599,1578074,00.html?cnn=yes


sexta-feira, 13 de julho de 2012

Diferença entre GRIPE e RESFRIADO





RESFRIADO

É uma infecção aguda virótica, geralmente sem febre, na qual as principais manifestações clínicas envolvem as vias aèreas superiores, com secreçao nasal (coriza) ou obstrução nasal como sintoma predominante.
Pode ser causada por mais de 2000 tipos diferentes de vírus.

Com a exposição ao agente, a infecção pode ser facilitada por fadiga excessiva, distúrbios emocionais e alérgicos.

Principais sintomas:
- Coriza
- Diminuição de olfato e gustação
- Dor de cabeça
- Dores no corpo
- Febre
- Rouquidão
- Voz "anasalada" 

 Duração: 2 a 4 dias

GRIPE


É uma infecção respiratória aguda causada por um virus específico, denominado INFLUENZA. Pode ser agravada com infecção bacteriana secundária que deve ser tratada com antibióticos.

O vírus da influenza apresenta vários sorotipos e sofrem mutações de um ano para outro.

Anualmente são lançadas vacinas para prevenção da gripe principalmente pelos grupos de maior risco (idosos e pacientes com problemas respiratórios crônicos).  

Principais sintomas:
- Calafrios
- Dor de cabeça
- Dores musculares
- Febre
- Irritação na garganta
- Mal-estar
- Nariz obstruído
- Suor
- Tosse seca

Duração: 5 a 7 dias.

TRATAMENTO DOS SINTOMAS:

Em geral são utilizados:

  • Analgésicos

  • Antitermicos

  • Antitussígenos

  • Descongestionantes 

  • Expectorantes

     É recomendado a ingestão de muiito líquido, uma alimentação balanceada, e repouso. Indica-se evitar mudanças bruscas de temperatura e ambientes com aglomeração de pessoas.


Dentistas podem prescrever medicamentos?

Sim!
O cirurgião dentista pode prescrever e aplicar especialidades farmacêuticas de uso interno e externo indicadas em odontologia, segundo a lei 5.081/97, que regulamenta o exercício da profissão.

As substâncias mais communs utilizadas em Odontologia são anti-inflamatórios, antibióticos, analgésicos e antissépticos. Eventualmente ansiolíticos (sedativos) de uso no pré e pós operatório podem ser utilizados para aliviar a tensão comum de muitos pacientes.

É permitida também a prescrição de medicamentos de urgência no caso de acidentes graves que compromentam a vida e a saúde do paciente!

O profissional farmacêutico deve estar atento ao receber uma prescrição assinada por um cirurgião dentista :
Medicamento contendo as substâncias previstas nas listas A1 eA2 (entorpecentes - receituário comum), A3 (psicotrópicos - receituário comum) e B1 (psicotrópicos - receituário azul ),  são passíveis de prescrição por um cirurgião dentista, desde que para períodos curtos e com uso odontológico juustificado.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Uma farmácia diferente...

Vou replicar aqui uma reportagem do site www.dinheirovivo.pt que me intrigou bastante.
Trata-se de uma loja de doces inspirada nas farmácias. 
Será isso saudável? Será isso certo?





A proposta do negócio é remediar as dores do cotidiano com bom humor e guloseimas!
Apesar da correlação entre medicamentos e doces ser uma prática perigosa, esta empresa faz de uma forma bem cautelosa e original.
As embalagens são similares: blisters e frascos bem sugestivos. Porém os doces e balas em si não são tão similares assim, mantendo o ar cômico que o tema propõe. 




04/02/2012 | 00:47 | Dinheiro Vivo
Na loja de Ricardo e Bruno vende-se remédios sem comparticipação. Entre as várias aplicações destes medicamentos, as embalagens coloridas criadas pelo designer da dupla de sócios curam o mau humor, aumentam a beleza feminina e ampliam as mesadas.
Bruno, 28 anos, é licenciado em Design Gráfico e estava cansado de trabalhos em regime de freelancer quando foi desafiado por Ricardo Belchior, 27 anos, a abrir a primeira Funmácia, loja que transfere para o conceito de uma farmácia a alegria associada aos doces.
"A ideia surgiu numa viagem que fizemos a Barcelona; demos de caras com um conceito semelhante e achámos que podíamos fazer algo melhor. A farmácia é sempre associada ao lado mais negativo. A ideia é criar um lado divertido e contrariar esse lado menos bom", explica Ricardo, ex-gestor dos restaurantes Cervejeira Lusitana. "As contra-indicações nos nossos rótulos são uma brincadeira. Conseguimos com a nossa cor transformar esse cinzentismo ´numa coisa mais divertida."
Entre rótulos e bulas coloridas, a dupla de sócios está a trabalhar num plano de negócios que prevê a abertura de três a quatro novas lojas, em 2012, na zona de Lisboa, e a possibilidade de um modelo de franchising. "A saída de Lisboa será sempre a partir de um regime de franchising. O dinamismo e a sustentação de que a loja precisa são grandes. Trabalhamos para que cada visita à Funmácia seja uma experiência diferente", acrescenta Bruno.
A abertura da primeira loja exigiu o investimento de um "valor significativo" - que não revelam - e muito tempo de preparação, porque "muitas das coisas que a Funmácia tem fomos nós que inventámos". Os fornecedores de doces são a única coisa que vem do estrangeiro. Todo o resto é português.




Depois de muito refletir eu consegui me posicionar em relação a este criativo negócio. A todos que me perguntam, eu aconselho a quanto menos medicamentos utilizar, melhor! O mesmo eu indico para os "remédios " da Funmacia, use com moderação!




E você ? Qual a sua opinião sobre o assunto? Comente!